Passar para o Conteúdo Principal
world best fish
logo world's best fish
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Máx C
Mín C
google plus

Arquitectura Contemporânea

Matosinhos, no coração da nova arquitetura

Foi a visão estratégica, de quem num dado momento teve de tomar decisões, de fazer escolhas, que está na génese da arquitectura de ruptura que aparece em Matosinhos nas décadas de 50 e 60.

Quando, em 1963, a Casa de Chá da Boa Nova é inaugurada, os escritos da época falam de um restaurante construído num local romântico à beira mar, de salas espaçosas e da deslumbrante vista de mar. O nome do arquitecto Siza Vieira, não é referido, passa despercebido. Hoje, em qualquer momento, em qualquer parte do mundo, haverá alguém a falar de Siza.

Basta parar um pouco, basta um só olhar não muito penetrante e percebe-se a Casa entre as rochas - não fosse ofuscar o mar - para ver o génio, para distinguir o traço da nova arquitectura portuguesa, a da Escola do Porto, considerada hoje uma das melhores do mundo.

A Casa de Chá da Boa Nova, uma jóia idealizada por um jovem arquitecto de Matosinhos, um ícone da arquitectura mundial, era indubitavelmente um promissor começo. Seguiu-se a Piscina das Marés. Uma e outra obra são, embora que recentemente, monumentos nacionais.

Siza continuou e continua a trabalhar também em Matosinhos.

Alcino Soutinho foi o próximo. Foi o arquitecto escolhido para o edifício do poder local, um poder local imbuído dos valores da jovem democracia Portuguesa. Hoje, o edifício da Câmara Municipal e da Biblioteca, que lhe é contínua, são ex-libris da cidade de Matosinhos e da arquitectura portuguesa.

Por sua vez, Souto Moura, também da Escola do Porto, contribui para este notável itinerário da nova arquitectura em Matosinhos: as casaspátio, junto ao Porto de Leixões, e a nova marginal de Matosinhos, são as suas obras mais significativas.

O paradigma desta arquitectura resulta do genial traço simples e da inspiração do Mestre de todos eles, Fernando Távora, cujo testemunho do seu talento encontramos nas obras dos outros e nas suas: a Quinta da Conceição e a adaptação do Museu da Quinta de Santiago.

O respeito absoluto pela envolvente, a aparente simplicidade e a intemporalidade são qualidades do discurso arquitectónico de todos.

Estes são os Arquitectos cuja obra e o traço genialmente simples marcam indelevelmente Matosinhos. Tal como numa peregrinação o desejo de mudança foi cumprido – Matosinhos é o marco da Nova Arquitectura Portuguesa.