Passar para o Conteúdo Principal
world best fish
logo world's best fish
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Máx C
Mín C
google plus

O que não pode perder este fim-de-semana em Matosinhos

Dreamsdon tworkunlessyou do  3  1 980 2500
07 Março 2018


Para este fim de semana temos exposições e diversas atividades para lhe oferecer, aqui, na terra do melhor peixe do mundo – Matosinhos!
Deixamos-lhe algumas sugestões.

Põe-te a mexer pela mulher – marginal de Leça da Palmeira
No âmbito do Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de março, vai realizar-se no dia 11 de março, pelas 10h30, na marginal de Leça da Palmeira (junto à Piscina das Marés), uma caminhada de 6km pela mulher, com ritmos e zumba. A participação é gratuita e pode fazer um donativo de 3€, a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro, recebendo um pack com t-shirt, água e fruta.
Inscreva-se nos edifícios das juntas de freguesia de Leça da Palmeira e Matosinhos ou através dos e-mails gas.lecapalmeira@jf-matosinhoslecapalmeira.pt  ou gas.matosinhos@jf-matosinhoslecapalmeira.pt 
Mais informações em:
http://www.cm-matosinhos.pt/frontoffice/pages/1464?event_id=4417 
Quando: 11 de março, pelas 10h30
Onde: Marginal de Leça da Palmeira

Please Share! Seminário Indoor - Poder e Arquitetura Casa da Arquitectura
Arquitetos de referência nacional e internacional debatem os vários poderes na Casa da Arquitectura
A Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura recebe, nos próximos dias 9 e 10 de março, um seminário sobre os vários poderes com a presença de nomes de referência da arquitetura nacional e internacional que estão representados na exposição Poder Arquitectura.
São arquitetos de várias proveniências que trazem até ao Porto experiências de países como o Sri Lanka, Brasil, Suíça, Hungria, Itália, Bangladesh, Reino Unido, Dinamarca e Portugal:
Ádám Hatvani, Aires Mateus, Bruno Figueiredo, Camilo Rebelo, Chris Watson, Guilherme Wisnik, Inês Lobo, Inês Moreira, Ivo Poças Martins, João Belo Rodeia, João Luís Carrilho da Graça, João Mendes Ribeiro, João Pedro Serôdio, Joaquim Moreno, Jorge Carvalho, Luís Santiago Baptista, Manuel Aires Mateus, Manuel Correia Fernandes, Marina Tabassum, Miguel Judas, Nuno Brandão Costa, Nuno Grande, Paolo Tombesi, Pedro Appleton, Pedro Bandeira, Renato Rizzi, Ricardo Carvalho, Vijitha Basnayaka.
Integrado no Please Share! - programa com curadoria de Roberto Cremascoli, que entra agora no seu Ato4 - o Indoor apresenta uma série de debates envolvendo arquitetos e gabinetes de renome internacional representados na mostra Poder Arquitectura, que arrancou na altura da inauguração da exposição e se prolonga até ao dia 18 de março.
A exposição Poder Arquitectura, comissariada pelos arquitetos Jorge Carvalho, Pedro Bandeira e Ricardo Carvalho, ocupa os 800 metros quadrados da Nave Expositiva com uma proposta de reflexão em torno de oito poderes que se alinham, infletem e divergem entre si, nomeadamente o Poder Coletivo, Poder Regulador, Poder Tecnológico, Poder Económico, Poder Doméstico e Poder Mediático.
A inscrição é paga e limitada aos lugares disponíveis e pode ser efetuada através do site www.casadaarquitectura.pt: 1 dia 10 euros; 2 dias 15 euros. A entrada é gratuita para estudantes.
Mais informações em: www.casadaarquitectura.pt 
Quando: 9 e 10 de março
Onde: Casa da Arquitectura

Exposição “Ângelo de Sousa: Tudo o que sou capaz” – Galeria Municipal de Matosinhos
A Galeria Municipal de Matosinhos acolhe, de 24 de fevereiro a 28 de abril, uma exposição dedicada àquele que é um dos mais importantes e disruptivos artistas plásticos portugueses da segunda metade do século XX: Ângelo de Sousa. Produzida em parceria pela Fundação de Serralves e pela Câmara Municipal de Matosinhos, “Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz” reúne 35 obras de vários períodos da carreira do artista, incluindo as obras da coleção de Serralves e duas obras pertencentes ao acervo municipal, “Cavalo verde” e “Sem título”.
Sendo uma das figuras mais influentes da arte portuguesa da segunda metade do século XX, Ângelo de Sousa (Lourenço Marques, Moçambique, 1938‒2011, Porto) é, refira-se, um dos artistas melhor representados na Coleção de Serralves, com trabalhos realizados entre os anos 1960 e 2010. O seu trabalho abarcou um vasto conjunto de meios artísticos, do desenho ao filme, passando pela pintura, pela escultura, pela instalação e pela fotografia.
“Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz” reúne, assim, uma parcela muito considerável das obras de Ângelo de Sousa na Coleção de Serralves — nomeadamente a quase totalidade dos desenhos, pinturas e esculturas —, com o objetivo de sublinhar a importância da contaminação entre aquelas disciplinas para a evolução da sua prática artística e de mostrar de que modo o desenho e a escultura constituem facetas fundamentais da obra de Ângelo de Sousa, nos quais é, porventura, mais evidente o seu caráter experimentalista. Não por acaso, o título da exposição parafraseia o nome dado por Jorge de Silva Melo ao documentário biográfico que, em 2010, dedicou ao artista, “Ângelo de Sousa: Tudo o que sou capaz”.
A exposição, refira-se, integra o programa de exposições itinerantes que a Fundação de Serralves desenvolve com o objetivo tornar a sua coleção de arte contemporânea acessível para além das portas do museu, permitindo assim o alargamento da rede de acesso das populações à arte e à cultura.
Quando: de 24 de fevereiro a 28 de abril | Horário: 2ª a 6ª feira das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30. Sábados e feriados das 15h00 às 18h00. Encerra aos domingos
Onde: Galeria Municipal de Matosinhos, Avenida Afonso Henriques
4454-510 Matosinhos

Exposição URBEVOLUÇÕES – Museu da Quinta de Santiago
Matosinhos passou, entre o final do século XIX e a segunda metade do século XX, por um importante conjunto de transformações urbanas, impulsionadas sobretudo pela construção do Porto de Leixões. Importantes núcleos habitacionais desapareceram das margens do troço final do rio Leça e o imenso areal que era a atual Matosinhos-Sul deu lugar a estradas, ruas e fábricas. A marca que estas mudanças deixaram na arte é o objeto da exposição “Urbevoluções”, que abriu as portas no dia 10 de fevereiro, no Museu da Quinta de Santiago.
A exposição, que assenta integralmente na coleção de arte da Câmara Municipal de Matosinhos, estará patente até 6 de maio e apresenta uma viagem diacrónica, da tela de 1887 do pintor portuense Francisco José Resende (1825-1893), onde é possível constatar a ausência de construções nas proximidades do areal da praia de Matosinhos, até ao registo do bulício portuário fixado pelo japonês Hirosuke Watanuki, que se apaixonou por Matosinhos nos anos 1960.
Ocupando as diversas divisões do antigo palacete de Leça da Palmeira, “Urbevoluções” conta com obras de artistas como Agostinho Salgado (1905-1967), Aurélia de Sousa (1866-1922), António Carneiro (1872-1930), Carlos Carneiro (1900-1971), Jaime Isidoro (1924-2009), Augusto Gomes (1910-1976) e Joaquim Lopes (1886-1956), entre outros.
Taxas: 1€ (entrada no Museu) + 1€ (visita guiada)/2€ (visita especial); Domingo das 15h às 18h ENTRADA no Museu gratuita.
Nas visitas, desconto de 50% para portadores dos cartões Matosinhos Jovem e Matosinhos Sénior.
Quando: 10 de fevereiro a 6 de maio|Horário: Terça a sexta das 10h às 13h e das 15h às 18h; Sábados, Domingos e Feriados: 15h às 18h encerra à segunda-feira.
Onde: Museu da Quinta de Santiago

Festas de aniversário no museu: “O museu é mais velho do que eu!” – Museu da Quinta de Santiago
O Museu da Quinta de Santiago promove festas de aniversário para crianças dos 6 aos 12 anos. As festas infantis incluem uma visita especial ao museu ou á cascata gigante e a realização de uma oficina. Os preços dependem do número de participantes: até 15 crianças: 5€ cada e a partir de 16 participantes: 4,50€, com um mínimo de 10 e máximo de 25 crianças. Para mais informações contatar casadobosque@cm-matosinhos.pt ou pelo telefone 229 392 410.
Quando: sábados, 10, 17, 24 e 31 de março, das 10h00 às 13h00 ou das 15h00 às 18h00.
Onde: Museu da Quinta de Santiago | Espaço Irene

Vem Descobrir a Cascata Gigante – Museu da Quinta de Santiago / Espaço Irene Vilar
Doada ao Museu em maio de 2010, a Cascata Gigante, com cerca de 15m2, é uma reconstrução representativa da Leça de inícios do séc. XX, construída por José Moreira ""o mais velho cascateiro de Leça, localidade em que está ainda muito arreigada a tradição da montagem de grandes cascatas leceiras. Dominam as representações de pormenores, monumentos, tradições e episódios históricos de Leça da Palmeira."
ATIVIDADE: Visita à Cascata Gigante; Atividade de expressão plástica: modelagem em barro ou gesso.
Atividade: 1€ visita guiada + 2€ Atelier l p/ participante. Nº mín. de participantes:5.
Nº max.de participantes: 20. Inscrição Obrigatória. A ação é gratuita para escolas do concelho de Matosinhos; Visita: 1€
Quando: Atividade: Terça a Sexta: 10h-12h/15h – 17h ; Visita: Terça a Domingo e Feriado: 10h-13h/15h - 18h
Onde: Museu da Quinta de Santiago / Espaço Irene Vilar

Feira de produtos biológicos – Jardim Basílio Teles
Aos sábados, das 9h00 às 14h00, no Jardim Basílio Teles, realiza-se uma feira de produtos hortícolas produzidos em agricultura biológica, onde poderá encontrar alternativas de alimentação mais saudável e saborosa.
Quando: sábados das 9h00 às 14h00
Onde: Jardim Basílio Teles

Coming home” - Galeria Manifesto (Mercado de Matosinhos)
“O espaço Manifesto, em Matosinhos, abriu as suas portas à exposição fotográfica "Coming Home", do aclamado fotojornalista David Guttenfelder, no passado dia 23 de janeiro.
Fellow da National Geographic, David tornou-se o primeiro fotojornalista ocidental a ter acesso regular à Coreia do Norte e nos anos que se seguiram explorou esse isolado país através de reportagens, mas também conseguiu, com o seu telemóvel, adicionar um registo visual do dia-a-dia naquele lugar.
O jornalista partilha assim imagens que de outro modo nunca seriam vistas: imagens, aparentemente fora do domínio noticioso, trazidas das suas viagens e experiências com diferentes civilizações e culturas”. In Visit Portugal
Quando: 23 de janeiro a 31 de março / Horário: 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00
Onde: Galeria Manifesto (Mercado de Matosinhos)

Almanaque - Design Português em Revista – Casa do Design de Matosinhos
Está patente, na Casa do Design de Matosinhos, a exposição “Almanaque – Design Português” com curadoria de José Bártolo. A exposição é constituída por revistas da coleção de José Bártolo, que permite recompor cerca de 150 anos de história do design gráfico, da ilustração e da tipografia em Portugal. Mais informações em: http://www.cm-matosinhos.pt/frontoffice/pages/242?news_id=4602 
Quando: de segunda a sexta: 9h00 - 12h30 | 14h - 17h30 |sábados e feriados das 15h às 18h |Encerra aos domingos.
Onde: Casa do Design de Matosinhos – edifício dos Paços do Concelho

“A Casa da Democracia: entre espaço e poder” – Casa da Arquitectura
A Casa da Arquitectura (CA) – Centro Português de Arquitectura inaugurou no dia 17 de fevereiro, na Galeria da Casa, a exposição “A Casa da Democracia: entre Espaço e Poder”, sobre a forma como se cruzam a transformação arquitetónica do Palácio de São Bento e a evolução política de Portugal.
Esta mostra corresponde a um momento inaugural do protocolo celebrado entre a CA e a Assembleia da República (AR) para o “Tratamento arquivístico dos projetos dos edifícios a Assembleia da República”.
“A Casa da Democracia: entre Espaço e Poder”, com curadoria de Susana Ventura, pretende dar a conhecer a um público mais vasto os vários espaços que compõem o conjunto edificado da AR e também estabelecer um pensamento crítico sobre as relações entre espaço e poder (ainda no seguimento da exposição inaugural da CA Poder Arquitectura) fundamentais para a disciplina da Arquitetura.
A história que o edifício acumula é inseparável da história da arquitetura portuguesa, remontando ao final do século XVI, aquando da fundação do Mosteiro de São Bento da Saúde, desenhado pelo Arquiteto Balthazar Álvares e considerado um dos mais relevantes exemplos do estilo chão devido à sua monumentalidade e marca territorial, o que terá, certamente, potenciado a sua posterior adaptação a Palácio das Cortes.
O sistema político condicionou, por diversas vezes, a arquitetura do edifício (incluindo a coreografia dos corpos e a iconografia) e do pedaço de cidade onde se insere, enquanto a arquitetura, por sua vez, contribuiu para a criação e afirmação de um centro de poder ou da cidade enquanto espaço de liberdade.
A peça que ocupa o espaço central da galeria, desenhada por Luísa Bebiano, é um espaço elíptico. Num dos lados, apresentam-se algumas das hipóteses sobre a relação entre espaço e poder, cruzando as linhas temporais em elipses virtuais, e, no outro lado, expõem-se as fotografias de Paulo Catrica dos vários espaços da Assembleia da República que muitas vezes permanecem ocultos, revelando-nos, simultaneamente, o edifício institucional e o espaço comum de trabalho e debate.
Uma coorganização da Assembleia da República e da Casa da Arquitectura, também responsável pela produção. A Câmara de Matosinhos é parceira da CA e a empresa J. Pinto Leitão é mecenas da exposição. “A Casa da Democracia: entre Espaço e Poder” conta com o apoio documental do Arquivo Municipal de Lisboa mas também da Academia Nacional de Belas Artes, Arquivo Histórico do Ministério das Obras Públicas, Arquivo Histórico Parlamentar, Biblioteca Nacional de Portugal, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Serralves, Museu da Assembleia da República e SIPA/DGPC.
Quando: 17 de fevereiro a 15 de abril
Onde: Casa da Arquitectura – Edifício da Real Vinícola em Matosinhos

“PODER ARQUITECTURA” – Casa da Arquitectura – Edifício Real Vinícola
“Poder Arquitectura” é a exposição inaugural da Casa da Arquitectura que abriu ao público as portas das suas novas instalações, no renovado Quarteirão da Real Vinícola em Matosinhos, no dia 17 de novembro. Comissariada pelos arquitetos Jorge Carvalho, Pedro Bandeira e Ricardo Carvalho, a exposição vai ocupar os cerca de 800 metros quadrados da Nave Expositiva com uma proposta de reflexão em torno de “oito poderes que se alinham, infletem e divergem entre si”.
Para os comissários, “o poder na arquitectura é um tema fundamental para questionar o modo como a sociedade contemporânea e a arquitectura trabalham em conjunto”. E prosseguem: ” A Arquitectura não é apenas a expressão de um único poder. Reflecte e trabalha a partir de vários poderes. Decidimos por isso isolar aqueles que parecem clarificar esta cartografia complexa. Deste modo surge o poder colectivo, o regulador, tecnológico, económico, doméstico, cultural, mediático e o ritual. No lastro longo da relação entre homem e natureza, cultura e tecnologia estes poderes desempenharam forças de intensidade variável na produção de artefactos arquitectónicos e no desenho da cidade e do território. Hoje, face a uma importância política que desculpa e valida decisões que lesam a coisa pública e o significado das comunidades, parece haver lugar para uma nova reflexão sobre o poder”,lê-se no texto de abertura do livro que acompanha a Exposição, uma coedição da Casa da Arquitectura e da editora suíça Lars Müller.
Aberta ao público de 17 de novembro de 2017 a 18 de março de 2018 na Nave Expositiva da Casa da Arquitectura, “Poder Arquitectura” reúne fotografias, maquetas, livros, desenhos, vídeos, revistas, postais e outros materiais em torno de uma centena projetos de arquitetura construídos à volta do mundo.
Quando: 17 de novembro a 18 de março de 2018
Onde: Casa da Arquitectura – Edifício da Real Vinícola em Matosinhos

Obra "Medida Incerta" – Esculturas de José Pedro Croft - Real Vinícola
Depois de ter representado Portugal na edição de 2017 da mais importante bienal do mundo, em Veneza, a obra “Medida Incerta”, de José Pedro Croft, já está na sua casa definitiva, na Real Vinícola, em Matosinhos.
Ao todo, são seis esculturas em aço, vidro e espelho, com medidas de três por seis metros ligadas a estacas, e que pesam 140 toneladas. O objetivo é refletir a realidade em seu redor.
A estrutura foi adquirida em março pela Câmara Municipal de Matosinhos.
Refira-se que José Pedro Croft é considerado o mais importante escultor português da geração surgida na década de 1980, tendo sido escolhido para criar a obra que representou Portugal na Bienal de Veneza deste ano.
“Medida Incerta” foi pensada para dar sequência à exposição de 2016, dedicada aos complexos habitacionais desenhados por Álvaro Siza Vieira, tendo estado instalada, durante a bienal, na Villa Hériot da ilha da Giudecca, a poucos metros de um projeto do arquiteto, com cuja métrica a obra de arte dialoga.
A instalação definitiva de “Medida Incerta” junto da Casa da Arquitectura, escolhida por José Pedro Croft, permite, assim, retomar o diálogo entre as duas artes, presente na sua génese. O curador da representação portuguesa em Veneza, João Pinharanda, salienta que, a despeito do “diálogo rítmico com a métrica” do projeto de Álvaro Siza, as esculturas de Croft “são claramente autónomas dessa referência”, desenvolvendo “metáforas de energia (aceleração, instabilização e efemeridade, vertigem ou multiplicação)”.
As peças de “Medida Incerta” foram visitadas em Veneza por 16.110 pessoas entre maio e novembro. As esculturas, com uma altura que ronda os oito metros, estão agora distribuídas pelo espaço do antigo quarteirão industrial de Matosinhos, reabilitado pela Câmara Municipal de Matosinhos para acolher a Casa da Arquitetura e a Orquestra Jazz de Matosinhos.
José Pedro Croft nasceu no Porto em 1958. Em 1981, concluiu o curso de pintura em Lisboa na Escola Superior de Belas Artes. A sua obra está representada em diversas coleções públicas e privadas, nomeadamente no Banco Central Europeu, em Frankfurt (Alemanha), no Museu Rainha Sofia, em Madrid (Espanha), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (Brasil) e na Coleção Albertina, em Viena (Áustria).
Em Portugal, está presente nas coleções da Caixa Geral de Depósitos, da Fundação Calouste Gulbenkian, do Museu Berardo e o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, na coleção António Cachola, no Museu de Arte Contemporânea de Elvas, e na Fundação de Serralves, no Porto, entre outras.
Quando: horário de inverno: de terça a sexta-feira – das 10h00 às 18h00/sábados, domingos e feriados – das 10h00 às 19h00
Onde: Edifício da Real Vinícola

LEGO® Fun Factory – Mar Shopping
Com 600 m2, e de acesso gratuito, a LEGO® FUN FACTORY MAR Shopping Matosinhos abre as portas ao extraordinário mundo LEGO®, onde as crianças dos 3 aos 10 anos poderão viver e partilhar brincadeiras e uma série de aventuras. Com esta nova LEGO® FUN FACTORY chegam também diversas novidades.
A LEGO® Fun Factory do MAR Shopping Matosinhos funciona das 10h00 às 24h00 todos os dias. Para crianças dos 3 aos 10 anos de idade, com entrada gratuita e 2 horas de permanência máxima e 1 acesso diário, a LEGO® Fun Factory do MAR Shopping Matosinhos promete momentos de muita diversão!
A programação de março e abril do MAR Shopping Matosinhos, é dedicada às temáticas LEGO Ninjago – Mestres de Spinjitzu e LEGO Duplo Disney Princess.
Na LEGO Fun Factory vai agora ter a oportunidade de se deixar inspirar pela cultura japonesa, onde há a habitual luta do bem contra o mal que envolve ninjas, poderes de quatro elementos da natureza (fogo, relâmpago, gelo e terra) e ainda entrar num cenário de fantasia com as princesas da Disney e recriar as histórias de encantar.
A primeira e única nos próximos cinco anos no Norte e a maior das sete LEGO Fun Factory existentes atualmente em Portugal (duas) e Espanha (cinco), o espaço do MAR Shopping Matosinhos tem 600 m2 e é de acesso gratuito. É ainda a primeira a integrar uk Lab e uma área LEGO NEXO Knights.
Quando: março e abril, 10h00 às 24h00
Onde: Mar Shopping – piso 0

MAR Shopping Food Experience” - Mar Shopping
O Mar shopping promove fins de semana animados, com eventos e atividades para todos os gostos. De sexta-feira a domingo, a programação é vasta e diversificada, incluindo concertos, performances musicais, workshops, noites mágicas e muito mais. A entrada é livre. Mais informações em: https://www.marshopping.com/pt-pt/matosinhos/events/food-experience-agenda-2018 
Quando: sextas, sábados e domingos
Onde: Mar Shopping

Dominguinhos: Hora do conto– “Malala, a menina que queria ir à escola” - Mar Shopping
Os Dominguinhos voltaram em 2018 e o Mar Shopping promove atividades lúdicas dedicadas aos mais novos poderão conhecer curiosidades sobre a natureza. Este domingo é dedicado à hora do conto, onde os mais pequenos poderão ouvir uma história didática. Os “Dominguinhos” são compostos por diferentes temáticas mensais e surgem da parceria com a Catavento, empresa da incubadora de indústrias criativas da Fundação de Serralves, que se dedica a projetos educativos. A entrada é livre.
Quando: 11 de março, domingo, pelas 11 horas.
Onde: Mar Shopping.

 

imagem